Consciência é a nossa natureza

Mogi das Cruzes, no auge de seus 456 anos, é uma cidade privilegiada por ter ao seu redor a presença de uma rica biodiversidade. Isso é por conta não apenas do seu especial posicionamento geográfico, mas também de um bom trabalho de planejamento e implementação de estratégias para a conservação dos remanescentes florestais e restauração da vegetação nativa.

Plantar a semente do respeito e valorização do meio ambiente não é tarefa fácil. No entanto, por meio de processos colaborativos que envolvam setor privado, comunidade e poder público, é possível fazer essa semente florescer (e dar frutos!). Para isso, são fundamentais iniciativas que contemplem o planejamento de ocupação urbana, a preservação dos mananciais hídricos e da vegetação remanescente, o ecoturismo e a educação socioambiental.

Um exemplo disso é o Parque das Neblinas, reserva privada localizada entre Mogi e Bertioga, gerida pelo Instituto Ecofuturo, onde são realizadas ações que contribuem não apenas com a conservação ambiental, mas também com a disseminação de conhecimento para despertar a consciência de que somos nós os responsáveis por cuidar do meio em que vivemos e das vidas que nele habitam.

Um dos muitos resultados positivos decorrentes dessas iniciativas é a conservação, dentro do Parque, de 404 nascentes do rio Itatinga – importante recurso hídrico local e responsável por gerar 70% da energia que move o porto de Santos, o principal da América Latina. Outro ganho foi a reintrodução da palmeira juçara, ameaçada de extinção, por meio da dispersão de 6 milhões de sementes na área. A juçara, nutre, com seus frutos, boa parte da fauna da Mata Atlântica que, por sua vez, contribui com o processo de restauração da floresta.

E por acreditar que devemos desenvolver a consciência ambiental, o Parque atua também na sensibilização de professores e alunos de escolas do entorno para estimular a criação de contextos de aprendizagem que incluam os elementos da natureza como tema interdisciplinar no ambiente educacional. Por meio do programa de Educação Socioambiental, mais de 100 educadores e 3.600 estudantes já foram envolvidos.

Trata-se de um processo contínuo e que exige muita dedicação. Precisamos projetar o futuro, planejar e trabalhar para que o município possa continuar desfrutando da condição diferenciada, herdada da natureza. O nosso olhar de cuidado e o resultado das nossas ações responsáveis não trarão benefícios apenas para a nossa Mogi das Cruzes. Teremos um mundo melhor para todos.

Paulo Groke, engenheiro florestal, diretor de Sustentabilidade do Instituto Ecofuturo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *